Quarta-feira, 13 de Maio de 2009

Uma ideia para Portugal (no jornal i)

 

Saúdo o novo jornal i.

 

A edição em papel tem uma rúbrica interessante chamada "Uma Ideia para Portugal". A de hoje é de Luís Filipe Menezes. Gostei:

 

"A situação periférica no continente e a dimensão do seu mercado interno, são as principais dificuldades na afirmação da economia portuguesa. O caminho é o do desenvolvimento competitivo do interior, a aposta numa rede ibérica rodoferroviária coerente, a potenciação da frente portuária atlântica, a assunção do inglês e do castelhano como armas linguísticas paritárias para a competitividade  global. Hoje o patriotismo afirma-se na competitividade, sem complexos."

publicado por Luís Peça às 15:23
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 30 de Março de 2009

Mudar para melhor

Como já mostrei em post anterior, estou a ler o livro "O Medo do Insucesso Nacional" de Álvaro Santos Pereira.

 

O Capítulo 8 intitula-se "As verdadeiras causas da nossa desgraça".

 

Ele considera e insiste que o défice orçamental não é uma delas.

 

O autor apresenta as razões para o nosso atraso de desenvolvimento relativamente à média europeia, numa perspectiva positiva, com intenção de as identificar de forma a podermos combatê-las rapidamente.

Tive vontade de as transcrever para aqui, até para as registar para mim:

 

  1. A preocupante falta de poupança das famílias, das empresas e do Estado que não permite financiar investimento para desenvolver o País. A poupança tem de voltar a ser incentivada.
  2. A nossa terrível falta de organização. Temos de começar a ser pontuais, a cumprir prazos, a planear as coisas e a deixar de fazer tudo em cima do joelho e a ser menos simpáticos. Muitas vezes não somos pontuais e não cumprimos prazos porque dizemos sim a tudo o que nos pedem, para sermos simpáticos, e depois não conseguimos cumprir. Como depois, por consequência, nos falta tempo, não planeamos as tarefas suficientemente e fazemos tudo a correr, sem qualidade. Temos de aprender a dizer "não". E a chegar a horas aos sítios.
  3. A fraca qualidade da Educação. Aqui o autor apresenta 5 factos interessantes da Educação em Portugal:
    1. Portugal gasta tanto no sector educativo (em percentagem do PIB) como a média dos países da OCDE.
    2. Portugal tem um péssimo retorno do investimento educativo.
    3. A qualidade educativa é baixa.
    4. As taxas de reprovação são elevadas.
    5. O abandono escolar é epidémico e terceiro-mundista.
  4. A ineficiência da justiça. É preciso priviligiar alguns mecanismos extrajudiciais, formar e reciclar melhor juízes e funcionários judiciais, avaliar os seus desempenhos com consequências nas progressões nas respectivas carreiras, modernizar a gestão dos tribunais, entre outras propostas.
  5. Somos demasiado pedinchões. Estamos habituados a funcionar à custa de ajudas e subsídios do estado. Temos de deixar de pedir e dar incentivos à inovação económica e industrial.

O capítulo seguinte chama-se "O medo de falhar". Interessante, este livro!

publicado por Luís Peça às 19:39
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 5 de Outubro de 2008

Optimismo q.b.

 Excerto de uma crónica de Nicolau Santos,"Farto de más notícias, eis quatro boas", no Expresso:

 

"O MEP-Movimento Esperança Portugal, liderado por Rui Marques, parece ser um partido diferente. Esta semana organizou um debate sobre as razões e a necessidade de esperança em Portugal. Editou um livrinho com 52 razões de esperança. Alguns exemplos: o espaço Shengen foi alargado a nove novos países em 2007 graças à solução informática criada pela Critical Software, uma empresa portuguesa. Temos a terceira mais baixa taxa de mortalidade infantil da Europa e a quarta do mundo. O novo laboratório espacial europeu Columbus inclui tecnologia portuguesa concebida pela Efacec. Somos o país da Europa que mais alterou a estrutura de exportações na última década: os produtos de alta tecnologia já representam 15% das exportações nacionais. Estamos em 18º no Índice de Desempenho Ambiental entre 149 países. O PIB "per capita" passou de menos de 7 mil euros em 1986 para cerca de 17 mil euros em 2006. Em menos de um século a esperança de vida duplicou. Nos últimos 50 anos, o número de mulheres licenciadas passou de 11 mil para 600 mil. Chega para nos orgulharmos do país em que vivemos?"

publicado por Luís Peça às 15:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

«Contempla-se o mar. À força de o vermos gastamo-nos nele, usamos por inteiro as suas quatro lembranças. Desconhece-se que delírio de ignorância nos vai arrebatar.»

Marguerite Duras, Vida Tranquila

.mais sobre mim

.tags

. todas as tags

.posts recentes

. Uma ideia para Portugal (...

. Mudar para melhor

. Optimismo q.b.

.arquivos

. Junho 2011

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.links

.pesquisar

 

.subscrever feeds

Pergolas
Pergolas
online

.últ. comentários

a bebida do caju é jambalau
Discurso motivador, interessante, sensacional; Waw...
O caju come-se quando está bem madurinho. Tem de p...
Era a lente. Já limpei.
Epá!!! Essa lente, ou esse sensor estão cheios de ...
Olá eu gostava de lhe perguntar uma coisa...tenho ...
Fica muito melhor!
HDR é sem dúvida uma técnica espectacular!
Sitio óptimo para andar descalço.
E esta fórmula serve exactamente para Administrar ...